Notícia

02 de Julho, 2018

Todos são admitidos no caminho do Senhor, diz Papa

Inspirando-se no Evangelho do dia, Francisco dedicou alocução do Angelus ao tema da fé e da vida nova trazidas por Jesus

Inspirando-se no Evangelho de Marcos proposto pela liturgia do dia, na alocução que precedeu a oração do Angelus neste domingo, 1º de julho, o Papa Francisco falou sobre a fé e a vida nova trazidas por Jesus.

O Santo Padre recordou a cura da filha de Jairo e da mulher hemorroísa. Segundo ele, trata-se de histórias interligadas, com um único centro: a fé. “O pai da menina e a mulher doente não são discípulos de Jesus e, ainda assim, ficam tocados pela sua fé. Têm fé naquele homem. A partir disso, entendemos que todos são admitidos no caminho do Senhor. Ninguém deve se sentir como um intruso, uma pessoa abusiva ou alguém que não tem direito. Para ter acesso ao seu coração, ao coração de Jesus, há apenas um requisito: sentir necessidade de cura e confiar nele”, explicou.

Francisco observou que Jesus descobre as pessoas necessitadas em meio à multidão, tirando-as do anonimato e libertando-as do medo de viver e ousar. “Ele faz isso com um olhar e com uma palavra que as coloca em caminho, depois de tantos sofrimentos e humilhações. Nós também somos chamados a aprender e a imitar essas palavras que libertam e esses olhares que restituem àqueles que são privados disto, o desejo de viver”, disse.

Segundo ele, nesta página do Evangelho, os temas da fé e da nova vida que Jesus veio oferecer a todos se entrelaçam. “Jesus é o Senhor e, diante dele, a morte física é como um sono: não há motivo para desesperar-se. Outra é a morte da qual devemos ter medo: a do coração endurecido pelo mal. (...) Esta é a morte do coração”, alertou o Santo Padre, transmitindo, por fim, uma mensagem de esperança:

“Mas, mesmo o pecado, mesmo o coração mumificado, para Jesus nunca é a última palavra, porque Ele nos trouxe a infinita misericórdia do Pai. E, mesmo que caíssemos, a sua voz suave e forte nos alcança: Eu te digo: levanta-te”, concluiu o Papa.


Fonte: Amex, com Rádio Vaticano