Notícia

25 de Março, 2020

A defesa da vida não é ideologia, é uma realidade humana, diz Papa em Audiência Geral.

O Pontífice pausa as catequeses para recordar Solenidade da Anunciação do Senhor e os 25 anos da Encíclica Evangelium vitae, de São João Paulo II

Hoje na Audiência Geral o Papa Francisco cessou um pouco as falas referentes às catequeses sobre as bem-aventuranças, recordar neste dia 25 a Solenidade da Anunciação do Senhor e os 25 anos da Encíclica Evangelium vitae, de São João Paulo II.  Abordando tema do atual cenário mundial sugestivamente o título da catequese, “O Evangelho da vida”, foi o gancho para o discurso de pontífice. Mediante a pandemia do coronavírus, a forma como o vírus ameaça a vida da população mundial e o impacto econômico que ele causará aos países, discursou dizendo que a ameaça reflete sobre a igreja, pois, como cristãos, devemos ter um olhar mais humano e não trata-se de ideologia.

Contexto de pandemia que ameaça a vida

“O elo entre a Anunciação e o ‘Evangelho da vida’ é íntimo e profundo, como destacou São João Paulo II na Encíclica”, ressaltou o Papa. E hoje, “nos encontramos a relançar este ensinamento no contexto de uma pandemia que ameaça a vida humana e a economia mundial”.

Como todo anúncio evangélico, prosseguiu o Pontífice, também este deve ser, antes de tudo, testemunhado, “E penso com gratidão ao testemunho silencioso de tantas pessoas que, de várias maneiras, estão se sacrificando a serviço dos doentes, dos idosos, de quem é só e mais indigente. Colocam em prática o Evangelho da vida, como Maria que, ao acolher o anúncio do anjo, foi ajudar a prima Isabel.”

 

A ameaça à vida repercute no coração da Igreja, não é ideologia.

A vida que somos chamados a promover e defender não é um conceito abstrato, salientou o Papa, mas se manifesta sempre numa pessoa em carne e osso. E toda ameaça à dignidade e à vida humanas repercute no coração da Igreja, nas suas “vísceras” maternas. “A defesa da vida para a Igreja não é uma ideologia, mas uma realidade humana. Envolve todos os cristãos. Porque são cristãos, são humanos. Não é uma ideologia”, mencionou.

E as ameaças existem, desde novas formas de escravidão às legislações que nem sempre tutelam a vida mais vulnerável. “A mensagem da Encíclica Evangelium vitae, portanto, é mais do que nunca atual”, disse Francisco.

Para além das emergências, como esta que estamos vivendo, se trata de agir no plano cultural e educativo para transmitir às futuras gerações a atitude da solidariedade, do cuidado e do acolhimento. Enfatizando a fala, ele menciona: “Queridos irmãos e irmãs, toda vida humana, única e irrepetível, constitui um valor inestimável. Isto deve ser anunciado sempre novamente, com a coragem da palavra e a coragem das ações.”

Francisco então concluiu com o apelo feito pelo santo polonês 25 anos atrás: “Respeita, defende, ama e serve a vida, cada vida humana! Unicamente por esta estrada, encontrarás justiça, progresso, verdadeira liberdade, paz e felicidade!”. 

Por: Amex, com Vatican News