Notícia

03 de Novembro, 2015

Papa: somos chamados a servir na Igreja

Papa celebrou em sufrágio dos cardeais e bispos que faleceram durante este ano

O Papa Francisco celebrou a missa, nesta terça-feira (03/11), na Basílica de São Pedro, em sufrágio dos cardeais e bispos que faleceram durante este ano.

“Nesta terra eles amaram a Igreja, sua esposa. Rezemos para que em Deus possam ter alegria plena, na comunhão dos santos”, disse o Pontífice em sua homilia.

O Papa frisou que a vocação desses ministros sagrados foi a de ministrar, ou seja, servir. “Somos chamados a renovar a escolha de servir na Igreja. É o que o Senhor nos pede. Como um servo Ele lavou os pés de seus discípulos para que façamos o mesmo”, disse Francisco.

Contracorrente

“Quem serve e doa parece um perdedor aos olhos do mundo. Na realidade, perdendo a vida, a reencontra. Uma vida que se despoja de si, perdendo-se no amor, imita Cristo: vence a morte e dá vida ao mundo. Quem serve, salva. Quem não vive para servir, não serve para viver”, sublinhou o Papa.

O Evangelho nos recorda que Deus amou tanto o mundo. “Trata-se de um amor concreto, tão concreto que tomou sobre si a nossa morte. Para nos salvar Ele veio até nós. Este é o abaixamento que o Filho de Deus fez, inclinando-se como um servo, para nos escancarar a porta da vida”.

Amor

“Este estilo de Deus, que nos salva servindo-nos e aniquilando-se tem muito a nos ensinar. Nós esperamos uma vitória divina triunfante, mas Jesus nos mostra uma vitória humilde. Levantado na cruz deixa que o mal e a morte se voltem contra Ele enquanto continua a amar”. 

“Para nós é difícil aceitar esta realidade. É um mistério. O sinal deste mistério, desta humildade extraordinária está na força do amor”, frisou o Santo Padre. 

Esperança

Na Páscoa de Jesus vemos a morte e o remédio para a morte. “Isto é possível por causa do grande amor com o qual Deus nos amou, do amor humilde que se abaixa, do serviço que sabe assumir a condição de servo. Jesus não somente tirou o mal, mas o transformou em bem. Ele fez da cruz uma ponte para a vida”, sublinhou Francisco.

“Que seja suficiente para a nossa vida a Páscoa do Senhor. Assim, seremos servos segundo o seu coração e não funcionários que prestam serviço, mas filhos amados que doam a vida para o mundo”, concluiu o Papa. 


Fonte: News.va